quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O NOME DA DOR

E de repente me veio o nome dessa dor:
é a dor do super-herói.
Dos X-Men.
Do Homem-Aranha.
De Xena, a Princesa Guerreira.


A dor de ser sozinho por trás de um destino inexorável
e um uniforme estranho.


A dor de não ter um igual.
De não ser compreendido.
De ter um segredo.
De ser o Super-Homem.
...eternas saudades de Kripton.



29-01-05 -21:47 – (Unaí- MG - quarto de hotel)

3 comentários:

  1. Sabe, deixei de dar nome à dor, talvez por não deixar que ela entre na minha vida. Melhor dizendo, não entre MAIS na minha vida.

    Se às vezes fico calada
    os olhos presos nos teus
    não vás! Não digas nada!
    Pousa só teus dedos nos meus
    e sentirás no latejar
    as palavras por dizer
    só possíveis de falar
    neste morse sincopado
    surdo
    desesperado
    do meu coração a bater...

    ResponderExcluir
  2. Todo super-homem tem sua kriptonita!

    ResponderExcluir