quarta-feira, 30 de março de 2011

Gotas de cristais


By Vânia Santana

Fixo meu olhar em gotas silenciosas
que sobem como cristais explodindo na solidão
Enquanto o álcool percorre minha mente
Num infinito pulsar latente
Onde a razão está tão longe e distante..
Então, encontro um lugar, onde as memórias se perderam
Onde eu era a rainha, e alguém, um rei.

As gotas sobem inúmeras e dispersam
São súditas, misteriosas testemunhas
Do espaço-tempo do que um dia eu fui
Nas fortalezas tão protegidas do meu castelo.

As gotas brilham como cristais
Como um sonho límpido na pureza humana
Enquanto vivia nos palácios suntuosos
E conhecia o amor, e nada mais.

Hoje, as masmorras zombam de mim
Em seu silêncio fétido e esverdeado
Me torturam com correntes invisíveis
e me amarram num mundo de solidão sem fim.

Enquanto as gotas sobem na taça
Tudo é memória, mas nenhuma herança
Se foram os sonhos daquela criança
São águas passadas, não matam a sede de nada.

Enquanto as gotas sobem na taça,
Não há mais sonho
Nem há mais taça
nem há mais nada.

Vânia Santana é conhecida no Twitter por @tatasbc