quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Licença poética

Então me vejo aqui, meio sem entender essa história da mudança da ortografia ou sei lá o que seja isso.
Meu coração continua fazer versos do mesmo jeito torto, na língua que conhece - a mesma que matou Camões, Pessoa, Bilac, Drummond e Quintana...
Sobreviverei eu?
Versos não se importam com isso. Falam numa linguagem própria, à parte da língua. Saberão esses senhores da mudança do que fala nossa dor? Conheceriam a nossa dor? Não sabem nada. Não são poetas. Nem me importa. Continuo eu, só do que sei. Corrijam-me. Venham atrás. Meus versos vão à frente. Falam de sentimento. Não de facilitar.
Se eu quisesse facilitar, não faria versos. Faria equações matemáticas. (Falo por você, Quintana.)

10 comentários:

  1. Licença Poética é a carteira de motorista que o poeta sempre esquece em casa. :-))

    Continua dirigindo! Gostei!

    ResponderExcluir
  2. Você é fantástica nas palavras!

    Sei que já te disse isso, mas preciso muito repetir!!
    Versar é nunca facilitar!

    Lindo e tocante!

    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca facilito. Porque nunca é fácil escrever, seja como for e não ponho regras no meu sentir.

    ResponderExcluir
  4. é exatamente isso, para um poeta a unica regra que ele deve seguir é a de deixar o coração se expressar livremente, sem limites, sem barreiras.
    Vou continuar dirigindo com a minha habilitação vencida já que meu coração não está disposto a renovar suas normas e regras gramaticais, já que ele continua insistindo em andar na contra mão.

    ResponderExcluir
  5. Nisso que mora o brilho da poesia, escrever estranho uma mensagem que poderia ser fácil.
    Ver de forma invertida o que todos veem de forma certa, subverter, principalmente a lingua, quando ela acha que só do sei jeito está certo.
    A única regra a qual o poeta se limita é a sua própria, sabe-se Deus qual é?

    Adorei seu texto Márcia, lembrou realmente o velho Quintana.

    Paz e bem

    ResponderExcluir
  6. use a lingua, e fale com o coração.
    eu adorei ! MÁRCIA, vc sabe sensibilizar com as palavras!......bi bi fom fom....

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. O que são as palavras, mero instrumento do nosso coração.

    Você sabe como ninguém, sabe usar esse instrumento.

    um beijo grande.

    ResponderExcluir
  9. A ortografia tem regras, o pensamento não.

    Um abraço, @AnonimoFamoso.

    ResponderExcluir
  10. Nossa!! vc falou o que eu queria ter dito para um monte de patrulheiros que nao entende que a melhor coisa dita é aquela que vem do coração e nao a tecnicamente perfeita. Eu virei teu fã. Obrigado viu! Quando torcerem o nariz por eu escrever as vezes maltratando a lingua eu vou recomendar o teu texto. Beijo.

    ResponderExcluir