sexta-feira, 16 de setembro de 2011

About Dreams

Desde que me entendo por gente, nascida nesta “encadernação”, sonhos são parte fundamental de minha vida.
Lembro-me de sonhos de quando ainda era bem pequena, dos sentimentos que me trouxeram e do quanto me afetaram.
Recorro a alguns sonhos muito marcantes, como a relembrar, saudade boa de alguma coisa que não vivi… Lugares que meus pés não pisaram, mas lá estive, pessoas a quem nunca fui apresentada, mas moram no meu coração…  meus mortos que, tão assiduamente, falam comigo…
Mesmo sem ter o conhecimento necessário, mais por intuição, fui aprendendo a ler meus sonhos.
Pesadelos recorrentes: mastigar vidro ou pequenas serpentes que surgem de lugares inusitados, como uma bolsa, um prato de comida. Posso esperar uma situação desgastante e difícil ou uma boa rasteira.
Também há o sonho da procura… estou sempre muito perto de encontrar alguém, o que nunca acontece…
Já sonhei com cheiros, com sabores… já voltei ao passado e me vi em roupas do século XVII.
Estive numa viagem interestelar, desci em outro planeta…
Ah, já estive com toda a Sagrada Família, que chegou numa nave redonda, bem em frente à casa em que eu estava, à beira-mar!
Sonhei com uma outra vida, paralela… vi, senti minha morte e foi bem estranho…
Mas, dias atrás, tive um sonho muito peculiar. Um sonho forte e cheio de significado, que me encheu de sentimentos, questionamentos, reflexões.
Estava sentada em meu sofá e, aos meus pés, meu Leão de estimação. Imenso, poderoso, lindo. Deitado feito um cachorrinho manso, me olhando com aquele mesmo olhar de um pet para seu dono.
Eu sabia que ele me pertencia,mas me senti desconfortável, porque, de estimação ou não, ERA UM LEÂO! E meu lado racional me dizia claramente que eu corria risco, era um animal selvagem. Apesar do medo, afaguei a juba enorme, fiz um carinho, como se faz a um cão.
Ele pareceu gostar e quis corresponder, ficando de pé e colocando uma das patas no meu peito… a figura cresceu enorme de frente para mim…
Apavorada, falei com ele, carinhosa. (Lá no fundo da cabeça, a razão sinalizava: é um animal feroz e selvagem!)
Alcancei o celular ao lado e pensei em chamar alguém… mas ELE falou:
- Vai pedir socorro para quem?
Acordei em pânico!!
Bem, como o sonho não saía de minha cabeça, a necessidade de dividir com alguém era grande. Contei tudo na TL da Matrix…
Quase no mesmo instante, dois amigos muito queridos me responderam. Ambos disseram coisas parecidas e que se completavam.
Dias depois, falei com uma amiga querida, via e-mail. A resposta dela também foi bem parecida. Eu já entendia.
Nasceu o poema.


Eu e Meu Leão

Diante do espelho me encaro.
Fito um lago sereno em olhos grandes e rasos.
Nua, vejo a dança do tempo em torno de mim.

Atrás, o Leão me espreita, impassível, a cada gesto…
Como a me lembrar de que, além da imagem do espelho
Uma fera faminta espera seu cuidador.

Diante do espelho, menina e mulher, de mãos dadas
Trocam conhecimentos e emoções
Borboletas com asas de sonho e razão.

Lá atrás, paciente, mas exigente, o Leão boceja…
Mais cedo ou mais tarde, mulher e menina
Deixarão o espelho para olhar uma para a outra, ambas para o Leão…

3 comentários:

  1. Lindo! O leão é o simbolo de Xangô, a Justiça Divina, que possui sempre um leão a cuidar...

    ResponderExcluir
  2. Márcia,


    Ah o mundo virtual.... estranha intimidade impessoal, monólogo coletivo...

    O sentimento que dele trago é bendito nas tuas linhas como os Lugares que meus pés não pisaram, mas lá estive, pessoas a quem nunca fui apresentado, mas moram no meu coração...

    A linguagem, para alguns, é reducionista, mas na lida com seus textos vejo mensagem expansiva, sugestiva, indutiva e intuitiva....

    E se o sonho não é tangível pouco importa porque o mundo virtual também não o é, e está aí para ser vivido...


    @Decubito

    ResponderExcluir
  3. TODOS OS DIAS DOU UMA"ESPIADINHA" AQUI.
    SEMPRE tudo muito bonito o q vc escreve,Márcia!
    fico lendo, re-lendo,me emociono e te acho maraaaaaaaaaaaaaa!!! um beijo!!

    ResponderExcluir